terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Bem-vindo 2015

                       Benvido

Apesar de frequentes geadas, desde novembro, terem queimando as couves do Natal, a neve teimou em não aparecer até à aurora do novo ano solar, inicidao  no solstício de inverno.


Símbolo da passagem das trevas à luz, o galo é o anunciador de boas novas  trazidas pelo novo ano. Pois que assim seja, que todos tenham boas novas em 2015.


 Feliz Ano Novo




terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Bom Natal *** Bo Nadal

vrolijk Kerstfeest 
 Merry Christmas
 Feliz Navidad
 Joyeux Noël
 Frohe Weihnachten

"A todos um bom Natal
A todos um bom Natal
Que seja um bom Natal
Para todos nós"



Festa cristã
Nascimento de Jesus Nazareno



Poema do Menino Jesus

Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu. (...)





Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)



Pastor de São Cornélio


Nascimento de Jesus anunciado aos pastores
Evangelho segundo São Lucas

8Na mesma região encontravam-se uns pastores que pernoitavam nos campos, guardando os seus rebanhos durante a noite. 

 9Um anjo do Senhor apareceu-lhes, e a glória do Senhor refulgiu em volta deles; e tiveram muito medo.  

10O anjo disse-lhes: «Não temais, pois anuncio-vos uma grande alegria, que o será para todo o povo: 

11Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias Senhor.




12Isto vos servirá de sinal: encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.»

13De repente, juntou-se ao anjo uma multidão do exército celeste, louvando a Deus e dizendo:


14«Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do seu agrado.»



Igreja velha de São Cornélio



Natal, Festa da Família
Numa sociedade consumista, marcada pelo secularismo e pelo laicismo da vida pública, o simbolismo cristão do Natal,  tem vindo a ficar diluido numa bonita Festa da Família impregnada de elementos pagãos.


A troca de prendas - mercantilização de afetos - ganha relevo nas práticas sociais, em detrimento da ceia da Consoada e da Missa do Galo.


 Igreja de Argemil

Mensagens de Natal
Natal é todos os dias quando, no silêncio de nossos corações, aquecemos com ternura os corações daqueles que nos acompanham na caminhada pela vida.

¡Ai, qué santo e bó sería o Nadal
si houbera no mundo menos mal!
¡E nós eiquí calados!


Votos de boa saúde aos utentes do Lar do Senhor dos Aflitos...





domingo, 21 de dezembro de 2014

Solstício solarengo e frio

21 de dezembro, dia mais curto do ano

Sem chuva e sem neve, chegou oficialmente o inverno, a estação mais fria do ano.  No entanto, as baixas temperaturas e as geadas já tinham vindo bem antes, sem esperar pelo calendário.

 

Na mitologia egípcia, o início do inverno ocorre quando o carro solar completa o seu ciclo e viaja para o mundo dos mortos, o submundo de Anúbis.



Fora da Terra de Mênfis, em latitudes mais setentrionais, como Travancas, este é o dia mais curto do ano e a escuridão é a mais longa das noites. 

Carregado de simbolismo, o solstício de inverno, em dezembro, traz-nos  o grande inverno da Natureza - dicotomia da vida e da morte; do bem e do mal; da luz e das trevas.


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Pintor de Argemil no Chaves Viva

Luis Batista em exposição coletiva

Luís na inauguração da "Exposição Coletiva de Artes Plásticas 2014", em outubro, no salão multiusos do Centro Cultural de Chaves, instalado no espaço dos armazéns da antiga estação dos caminhos de ferro.



O pintor de Argemil foi convidado pela Câmara Muniicipal e pela Associação Chaves Viva para integrar uma exposição que juntou trabalhos de 14 artistas plásticos flavienses.


O objetivo da mostra é o de dar a conhecer ao público novos trabalhos, de variados estilos, dos artistas convidados. 



Coube ao presidente da autarquia flaviense a inauguração da exposição coletiva.


Cocktail


A exposição esteve aberta ao público até ao início de novembro.


No decorrer da inauguração teve lugar um mini concerto de violino, dado por um aluno da  Escola de Música e Ballet Mozart.



 Tiago Vidago, violinista.


Com a participação em exposições individuais ou coletivas,  o jovem de Argemil afirma-se no meio artístico flaviense e vai ganhando visibilidade no público atento a eventos culturais. A notoriedade do pintor não deixa de ser positiva para a imagem da terra.


Luis e Ricardo Costa,  jovens artistas a abraçar o futuro.







domingo, 30 de novembro de 2014

Champignons de Travancas

Boletos, rocas, sanchas...

Neste outono ainda não fui  aos "níscaros", nome que genericamente se dá em Travancas aos cogumelos.  Mas, nem por isso os míscaros deixaram de estar presentes em refeições caseiras!


Sem andarmos à apanha, aparecem-nos à borda de caminhos, nos soutos, lameiros e mesmo nas hortas ao pé de casa.


A variedade mais abundante nas terras altas da raia, são os frades, nome pelo qual são conhecidos enquanto estão fechados.


Quando ficam abertos são rocas. São os de  menor valor comercial. No entanto, pelo seu apaladado sabor, são uma iguaria digna de figurar à mesa dos mais requintados e exigentes gourmets.



Em qualidade, quem duvida que superam os vistosos, famosos e insípidos "champignons de Paris" enlatados?


Prato de cogumelos, presunto e batatas cozidas, a simplicidade da boa cozinha da Capital da Batata!

Também há quem os coma assados nas brasas e embebidos em azeite, como entrada de uma boa refeição à moda transmontana.



Stop
COGUMELOS VENENOSOS
Bonitos mas letais; aparecem nos soutos.Cuidado com eles!





quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Diospireiro com cores do outono

Primeiros frutos da planta

Suculento e doce,  eis o diospiro cor-de-laranja, o primeiro colhido no quintal.


A tonalidade das folhas, do verde ao amarelo, castanho e vermelho, tonifica os olhos e alimenta a alma.


Observar a transição do diospireiro é sentir que a vida é renascimento.



Um hino à Natureza, a poesia outonal.


Diospiro com iogurte natural, o sabor exótico de uma sobremesa descoberta no restaurante Os Tibetanos de Lisboa.



quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Ave Charlotte Maria

Charlotte werd geboren
Maria nasceu


Deus te abençoe
 God zegene u


terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pouca castanha e miúda

Preço atenuou prejuízo  aos produtores

Feito o balanço da época que terminou, da apanha da castanha, o ano de 2014 fica marcado pela elevada quebra da produção em Trás-os-Montes, nomeadamente nos soutos acima dos 800 metros, como é o caso das aldeias do planalto que vai da Bolideira a Travancas.


Até ao início da campanha, conforme referido em anterior postagem, os agricultores desconheciam a razão pela qual, a partir de agosto, as folhas dos castanheiros começaram a secar e os ouriços deixaram de se desenvolver.


Das quatro aldeias da freguesia, Roriz é aquela que tem mais soutos e, por isso, é aquela onde o prejuízo foi maior. Em alguns soutos, as quebras de produção, superiores a 90%, afetaram o rendimento de famílias que dependem da venda da castanha.


Precipitação elevada e temperatura amena favoreceram o desenvolvimento da septoriose do castanheiro, fungo que dá à folha uma cor acastanhada e amarelada ao rebordo. Ataca também o pedúnculo do ouriço, apodrecendo-o e impedindo o fruto de se desenvolver.





No mercado consumidor, no entanto não faltou castanha à venda.


De menor calibre  e com bicho, a castanha era vendida no Leclerc a 3,99 euros.


Em Roriz, Travancas, São Cornélio e Argemil, houve produtores que venderam o quilograma da castanha a 2€20, a 2€50, a 3€ e a mais. No ano anterior o preço médio no produtor andou à volta de 1€30.


Além de miúda, grande parte da castanha, mesmo selecionada, tinha morrão.


Bela paisagem de Travancas e da Cota de Mairos, avistada de um souto Roriz.


Para o Ministério da Agricultura compensar os produtores, vai a Câmara Municipal de Chaves fazer o levantamento dos prejuízos?