segunda-feira, 20 de abril de 2015

São Cornélio na Primavera

Flashes

São Cornélio, na freguesia de Travancas, é terra de quatro rebanhos de gado ovino, sendo raro não cruzar com um, sempre que passo pela aldeia, a caminho da A24 ou de Chaves, por Vila Verde da Raia.


Das duas vezes que fui à aldeia, durante a época da Páscoa, como não encontrei quem estivesse a semear batatas, deixo uma amostra de imagens primaveris que por lá colhi.


Senhor Luís Nascimento, com animal de lavoura no  bebedouro.


Porta de entrada do velho forno do concelho, que já ninguém  utiliza, ao lado a fonte, também ela caída em desuso, com a canalização da água.


Floração, no quintal de uma bonita e moderna casa de cantaria.



Duas mós decorativas. De que moínho d'auga terão vindo?



 Lavadouro na primavera.


Um dos "Pastores da Raia".


Terras de Monforte de Rio Livre. No monte mais alto fica o castelo mandado construir no século XIII por Dom Dinis, o rei trovador.

"Olhai os lírios do campo" que tão bem ficam em São Cornélio!


Esta árvore fantasmagórica é uma espécie de totem! Dela emana uma energia enigmática, comparável à do espírito dos antepassados que velam pelos vivos, segundo crenças de tribos africanas. Espero que não a cortem!


Esta perspectiva da capela velha, na primavera, também é clássica!


São Cornélio, voltada para a veiga de Chaves, é uma aldeia pendurada no topo da montanha. 


Marcas de ruralidade, uma constante.

Vovô, a Bá!

Avô, levanta-te e faz a barba!

O Vasco passou uns dias em Travancas. Está quase a falar!



Hoje foi à cama acordar-me. "Vovô, a bá , acompanhando a fala com o gesto da mão no rosto, como no corte de barba.


São palavras que não usa  quando fala ao  papá. Com ele diz konijn, melk e outros termos em flamengo.

Vai se bilíngue, o Vasco!

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Sementeira da Batata

Sem a força de outrora 

Vai longe o tempo em que a sementeira era uma grande azáfama. Por todo o mês de abril, no planalto ecológico da União das Freguesias de Travancas e Roriz, se viam tratores  a semear batata nas terras que não estavam de pão.


Numa terra que já foi "Capital da Batata"; onde se produzia excelente batata de semente certificada, importa-se agora,  da Holanda, a mais cara, a 28 € o saco de 25 kg e a mais barata, da Dinamarca, a 9,50 euros.


Este ano não vale a pena semear para vender. No anterior ano agrícola, com o quilograma da batata a ser comprado ao agricultor por dez cêntimos - preço que não cobria os custos - há produtores que ficaram sem vender a  produção, preferindo dá-la de alimento aos animais.



Na segunda semana do mês, indo de São Cornélio a Argemil, já só se vê um ou outro produtor a semear batata, para auto-consumo, em pequenas leiras.


O fim da época da sementeira  chegou  antecipadamente a meados do mês.


Resultante de Políticas Agrícolas Comuns, da União Europeia.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Fornada da Páscoa

Folar de Argemil da Raia

A Páscoa, em casa da dona Joaquina, rodeada de filhos, filhas, noras, genros e seis netos, é tempo de festa.  E nas terras da raia, festa pascal não se faz sem folar.





A velha casa de granito, hoje com outras funções, serve de arrecadação de lenha e tem um forno onde coze fornadas de saboroso pão caseiro, amassado por si.


Esposa de antigo moleiro no Rio Mouce, tem viva na memória os tempos de antanho. Comparando as farinhas com que se fazem os folares de agora, não tem dúvida quanto à superior qualidade da farinha moída nos três moínhos do marido.


A fornada da Páscoa é grande que a família também não é pequena e o coração, benigno, chega aos amigos.






Os folares, além de farinha de trigo, ovos, azeite, água quente e sal, levam presunto  e vários tipos de chouriço


Forno a lenha cheio de folares.


Além do forno tradicional,  a família tem outro no quintal, feito de metal mas aquecido a lenha, onde, prevendo uma grande fornada, a dona Joaquina cozeu os folares sobrantes com a ajuda de zelosos filhos. 


Hoje, a cozedura dos folares de carne; amanhã, a fornada de pão centeio e mistura.



Uns dias na terra, a celebrar a Páscoa em família. Com idêntico desvelo, momentos antes estivera  com o pai, a lavrar-lhe uma leira.


Folar de Argemil da Raia


Em Argemil, a festa da Ressurreição é também a festa do renascer da Natureza. Na montanha está-se mais perto d´O de Cima!