terça-feira, 20 de julho de 2010

Os de Travancas no São Gonçalo

Uma aventura de três festeiros


Era uma vez três senhores de Travancas que no dia 18 de julho quiseram ir à festa do São Gonçalo de Orjais, aldeia situada na vizinha freguesia de São Vicente da Raia. O santo, na realidade um beato dominicano que nunca chegou a ser canonizado, nasceu em 1187, em Vizela, e faleceu no dia 10 de janeiro de 1259, em Amarante, cidade em cujo mosteiro repousam os seus restos mortais. A festa, realizada, inicialmente, como a de todos os santos, no dia do falecimento, foi transferida de janeiro para julho, para que os emigrantes nela pudessem participar.


Os três festeiros - o Delmar, o Matias e eu próprio -  partiram do Café Central, pelas 15 horas, a fim de passar uma tarde bem passada no São Gonçalo, festa onde nenhum tinha estado antes. Desceram de Orjais até ao rio, pensando que iam ao encontro da festa, no fundo da ravina. O  caminho de terra batida, íngreme e inóspito, não lhes retirava o entusiasmo de saborear uma loura, no idílico vale da capela de São Gonçalo.



Mas foram dar a um ribeiro onde não havia vestígios de festa. Estavam perdidos! Na outra margem, sem viva alma, viram  uma casa em construção e um moínho a ser recuperado.  Souberam  mais tarde  que eram de um inspetor da polícia judiciária do Porto, que para ali vinha à caça e à pesca. O lugar chama-se Castelo de Pulo, bom para ser explorado por amantes da natureza.



Regressaram ao carro, atravessando o ribeiro com redobrado cuidado, para não escorregar nas pedras, polidas por milhares de enxurradas.


Matias e Delmar, com algum contorcionismo, conseguiram equilibrar-se e regressar enxutos.


De volta a Orjais, numa curva sinuosa e inclinada da encosta xistosa, a uns 500 metros da ribeira, o carro começou a derrapar no manto de pó e dali só saiu rebocado por um trator.  Dias antes, a outro carro perdido, aconteceu o mesmo! Evitar-se-iam alguns transtornos aos forasteiros que demandam o São Gonçalo, se a Junta de Freguesia de São Vicente da Raia colocasse, no cruzamento junto ao cemitério, uma tabuleta a indicar o caminho para a capela do santo!



Euroluso, habituado a não ter amor aos carros que lhe passam pelas mãos, de vez em quando mete-se por caminhos que não lembram ao diabo! Uma vez, no Douro vinhateiro, pertencente ao concelho de Carrazêda de Ansiães, mandou o filho descer do carro para tirar da rodeira os calhaus de xisto que iam surgindo à frente. Esta última aventura foi mais uma mas... para pior! Falta agora saber, se foi o calor do esforço do carro, que está na origem da inutilização da embreagem, no dia seguinte!



Sem cobertura de rede para pedir ajuda por telemóvel, coube aos companheiros de aventura vencerem, sob sol ardente, 400 metros de inclinação da encosta e percorrer uma distância superior a 3 km, para chegarem a Orjais e aí pedirem auxílio. A aldeia estava deserta! Os poucos moradores tinham ido para a festa! Levado por um carro que regressava de lá, o Matias foi até São Vicente da Raia, onde encontrou o dono do trator que veio rebocar o carro. Foram duas longas horas de espera! O que valeu foi ter uma garrafa de água, com que ia molhando a garganta, ressequida pelo calor. Chegados a Orjais, sãos e salvos, três horas depois de terem partido de Travancas, os três decidiram não prescindir de ir à festa! E toca a descer, por  outro caminho, até ao São Gonçalo!


Percorrendo alguns quilómetros, a descer a íngreme encosta, chega-se ao fundo de um vale frondoso e pujante de frescura, no qual sobressai uma modesta capela, caiada de branco.



Entrou-se, em vão, à procura da imagem do santo. No retábulo há uma pintura em madeira, em mau estado de conservação, e na base do altar-mor encontra-se uma inscrição de que apenas se decifra que "Esta ... a mandou fazer Antonio Glz (Gonçalves) de Sá ... Anno de 1803 ..."
Mas porquê existir uma capela num lugar ermo e tão distante? Conta-se que foi um barqueiro deste lugar, no Rio Mente - seria o tal António Gonçalves? - que a mandou construir, em cumprimento de promessa feita ao eremita São Gonçalves, por este o ter salvo das tentações do diabo. Reza a lenda que um dia, o barqueiro viu uma linda donzela mas quando se preparava para a possuir, olhou-lhe para as pernas e viu que tinha pés de cabra. Temeroso de que o diabo quisesse apoderar-se da sua alma, pediu a proteção do santo, que lhe concedeu a graça de o livrar das tentações da carne.


No lugar há varias casas pertencentes ao termo da freguesia de São Vicente e duas, do outro lado do Rio Mousse, afluente do Rio Mente,  pertencentes à Castanheira. Surpreendente, para quem desconhecia a grandiosidade da festa, a grande quantidade de carros, tratores e carrinhas  que desceram à ribeira, para a festa do santo.


Zaragata motivada pelo facto de um condutor não ter retirado o carro do caminho, para outros dois se irem embora. Não havia policia por perto. Depois de alguns empurrões, roupa rasgada e ameaça de navalhadas e bastonadas, tudo se resolveu sem ter havido murros e feridos.



Família de merendeiros no Rio Mousse. Eram várias as  mesas, montadas nas carrinhas e atrelados ao longo do rio, sem grande caudal, nesta época de estio.


No Rio Mente, mais caudaloso, tomava-se banho e gente das Terras de Lomba, Concelho de Vinhais, convivia elegremente. Dizem-me que, antigamente, até de Chaves vinham para aqui famílias inteiras e amigos fazer pique-nique.


Amigos a jogar aos matraquilhos.  Quem organizou a festa?  Mordomos de Parada da Castanheira, aldeia mais próxima, ou de Orjais?



No recinto, os três companheiros de aventura encontraram outros festeiros de Travancas, daqueles que gostam de percorrer todas as capelinhas.


Encontrar lá o senhor Modesto, de quem desconhecia a paixão por motos, foi uma agradável surpresa. Aparentemente bem integrado no meio, na sua companhia não me senti forasteiro na festa!


Mais abaixo, na confluência dos rios Mente e Mousse, foi montado um palco, à frente do qual  se desenrolou o bailarico, participado por muitos dos pares que não queriam perder uma moda.


Como é bonita, a dançar, esta nossa gente raiana!


Ó meu rico São Gonçalo
Casamenteiro das velhas
Porque não casas as novas
Que mal te fizeram elas?

A imagem de São Gonçalo foi retirada da capela e colocada em frente ao local do bailarico, para ser mais vista; assim sempre iam aumentando as ofertas ao santo casamenteiro, que nesse domínio rivaliza com Santo António.



Os senhores José Silvério e Xico Melo  à mesa com amigos. O antigo guarda-fiscal, excelente conhecedor dos caminhos do contrabando da zona, quis levar-me a conhecer a cascata que segundo ele, é muito bonita!. Agradeci mas ficou apalavrado que, oportunamente, voltaria ao São Gonçalo com ele, para conhecer o rico património paisagístico e cultural desta zona fronteiriça.



O senhor Modesto é uma caixinha de surpresas! Conseguiu que o tocador de acordeão, de que apenas fixei o primeiro nome, Fernando, fosse até uma casa junto à ribeira, tocar o instrumento, em exclusivo, para o blogue Travancas da Raia!


Apesar do tempo ter sido escasso a apreciar a exibição musical do Fernando Faiões, gostei dos excertos tocados e tive pena de não ter ficado para ouvi-lo tocar,  à noite, no palco.


Que os portugueses são cevadinhos, já se sabia! Que são amigos do tinto, também! Mas agora está-se a descobrir que também se alargam com as louras e vai daí,  quando não chegam para matar a sede a todos, toca a ir prós finos!


Mais dois de Travancas, amigos de festas, a quem foi impossível dizer não e botar mais uma!




Rica festa, no expressivo sorriso do Manuel e do Matias!

Preparem-se homens de Travancas, que as esposas já andam a confabular que para o ano querem ir juntas, mas sem os maridos, ao São Gonçalo de Orjais! E esta, hein?

3 comentários:

Anónimo disse...

Bem escrita e muito bem documentada por fotos. Vou conhecendo mais um pouco do Portugal, bem escondido, neste seu blog. Cumprimentos senhor.

Paulo Ferreira disse...

Muito bem descrita essa "aventura" ! Já há meia meia duzia de anos que não vou a essa festa, no entanto, fui fazer lá uma visita sem ser no dia de festa, na altura dos medronhos, há uns 3 ou 4 anos .
Sei bem que nesses caminhos é muito fácil qualquer pessoa não conhecedora perder-se ! No meu entender, o percurso que vai de Parada até ao rio é mais fácil de fazer do que o que vai ter a Orjais, que numa dessas vezes também eu me ia perdendo !
Afinal de contas tudo correu bem(ninguém saiu magoado).
Abraço .

euroluso disse...

Retribuo os cumprimentos ao visitante anónimo e agradeço as dicas ao Paulo. Já me tinham falado que o acesso à capela de São Gonçalo é melhor por Parada e por Vilar de Lomba.