sábado, 3 de dezembro de 2011

Rocas ao Jantar

Apanhando cogumelos

Rocas assadas ns brasas 
Se à diversidade de cogumelos acrescentarmos as designações locais, torna-se complicada a um leigo, a tarefa de  distinguir as diferentes espécies de cogumelos comestíveis.  Entretanto, espero um dia, ficar apto a identificar corretamente mijacões, míscaros, tortulhos, rocas,  rocos ou roques, frades, cardielas, boletos, sanchas...



Durante a estadia da Princesa em Travancas, fomos os dois à apanha de cogumelos. Da primeira  vez fomos às Favas, onde há dois anos tinha estado com o Zeca e o senhor Delmar.


Nos lameiros por onde andámos, apenas encontrámos este cogumelo comestível, ainda com o chapéu por abrir.


Depois, no vale da Bouça....


...vimos lindos cogumelos.



Cogumelos...  venenosos!



No dia seguinte, fomos à Regada. Estava uma linda tarde de sol.



Nada de cogumelos nos lameiros.


O encontro com o senhor Manuel Pinto, pastor de Travancas, serviu para uma troca de palavras sobre gado ovino.



No fim da conversa, mostrou-nos uma roca, a única que apanhámos, durante toda a tarde.


A pouca sorte na apanha foi compensada  pela vista de diferentes tipos de cogumelos não comestíveis.








Bonitos cogumelos presos a uma giesta.





Na nossa caminhada, passámos pela  capela do Senhor dos Aflitos e subimos a encosta, em direção a Roriz.



Nem na touça vimos cogumelos comestíveis.






De lá fomos à Ribeirinha e depois subimos por um caminho que vai dar à capela do Senhor do Socorro, em Argemil. No regresso a casa, tínhamos uma grande cesta, para guardar uma roca!


Cogumelos apanhados em duas tardes. As rocas são os mais vulgares mas bastante saborosas. Antes de serem postas nas brasas, são lavadas. Depois de assadas, são temperadas só com sal e azeite.



Saborosa entrada de rocas assadas, ao jantar.



Dias depois...


A esposa do senhor Manuel Pinto, à saída da missa, disse-nos que o marido, pastor que tínhamos encontrado no dia da apanha  de cogumelos,  tinha guardado em casa um saco deles, para no-los oferecer.


Algumas das rocas e dois grandes tortulhos, gentilmente oferecidos.


Os tortulhos, por serem mais raros que as rocas, têm um valor comercial mais elevado. Aprendi que a parte inferior do chapéu, lisa e mais escura, não é comestível.


Os cogumelos, assados nas brasas ou guisados com presunto, numa panela, em azeite da Terra Quente, são um delicioso manjar. Contudo, de acordo com mestres de culinária, perdem o sabor natural,  quando são demasiado condimentados.



Rico jantar!
Senhor Manuel Pinto, obrigado!




4 comentários:

tania disse...

como o meu pai nao sabe ir ha net eu agradeço por ele, que lhe tenham feito bom aproveito.

euroluso disse...

Olá, Tânia!

Souberam muito bem os cogumelos do seu pai.
Boas Festas

Tiago Mendonça disse...

Ora viva!
O galaró está de saúde? Ainda não caiu do puleiro?:)
Para o ano se quiser ensino-lhe aqui nas Lamas 2 qualidades muito boas, almoçamos no Rei D'Orelhão e depois damos um passeio pelo pinhal, vai ver que dá gosto apanhar.
Um abraço.

euroluso disse...

Tiago
O galaró está firme no puleiro!
Ainda não calhou tirar-lhe uma boa foto para lhe mandar.
Quando voltar ao Rei d'Orelhão, aviso-o. Boas festas.